segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Hacker cria falsa rede de celular para invadir iPhones


 
Apesar de sua apresentação na conferência hacker Black Hat não ter sido perfeita, o estudante da Universidade de Luxemburgo, Ralf-Philipp Weinmann, mostrou que é realmente possível enganar usuários de iPhone para se conectarem a uma falsa rede GSM (Global System for Mobile Communications – utilizada pela maioria das operadoras de telefonia).
No evento realizado em Washington, nos EUA, Weinmann mostrou como invadir smartphones usando o software de código aberto OpenBTS e outros equipamentos de baixo custo. Assim foi possível criar uma falsa estação base de transmissão GSM, localizar iPhones e enviar mensagens aos seus donos. Vários usuários de iPhone presentes no evento ficaram surpresos ao receber uma mensagem pedindo que se conectassem à rede.
Weinmann, que pesquisa vulnerabilidades em redes celulares, afirmou que com o equipamento correto, o alcance da falsa estação GSM pode chegar a 35 quilômetros. “Você quer ‘pegar’ telefones não apenas de adolescentes, mas também de executivos”, disse Weinmann, adicionando ainda que é possível “ter controle total sobre o aparelho”. Parte da razão desses ataques por meio de redes falsas GSM existirem é porque o código base utilizado em smartphones como o iPhone, que é baseado em Infineon, remete aos anos 1990.
Um pouco de investigação permitiu ao especialista descobrir vulnerabilidades que podem ser exploradas. Por exemplo, ele teve ajuda ao descobrir que uma empresa italiana que faliu nos anos 1990 deixou dados sobre código para seções de memória GSM no site Sourceforge por quatro anos, antes de tirá-los do ar.
O ataque de Weinmann permitiria que ele tirasse vantagem de iPhones atraídos para sua falsa estação base para “habilitar e desabilitar a resposta automática do iPhone”. Ou com um ataque para gravar o áudio do iPhone, armazená-lo em RAM e então transmitir a informação obtida.
O estudante ainda afirmou que não quer encorajar o roubo de dados com o procedimento que demonstrou, mas sim alertar as operadoras e fabricantes para que melhorem a segurança das redes wireless. Ele também adiciona que tecnologias como femtocells (estações domésticas que permitem que as ligações de celulares sejam direcionadas para uma rede mais ampla) poderiam ser usadas para substituir o programa OpenBTS, o que apenas aumentaria os tipos de ataques que investiga.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

............